quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

O NATAL NA MINHA TERRA


A minha terra fica noutro continente. Fica em Africa! A minha terra é Moçambique, cidade da Beira. Nesta altura do ano faz lá calor e isso significa.....praia! Mas como somos católicos e cultura portuguesa, fazíamos na mesma a árvore de natal com o algodão a imitar a neve!
A união familiar era o mais importante! As prendas eram as dos outros anos, só que retocados pareciam novos! Algumas roupas novas! E comida na mesa, e amigos à volta!
Nesse tempo não havia televisão! Vivíamos mesmo! Vivíamos muito na rua, ao ar livre! O dia dava para tanta coisa! E assim podíamos brincar com as nossas prendas e com os nossos amigos!

Gastronomia
Não me lembro muito bem, sei que tinha caril, o bacalhau e as farófias, não me lembro se tinha leitão, filhós ou outras comidas que hoje conheço neste meu Portugal, mas que a árvore tinha luzinhas e que me tentavam enganar com aquela do Pai Natal, ehehe, isso é igual e também eu fiz às minhas filhas!

Escrito por Ana Paula Palma, do blog AnoxPaulox Palminha

Se gostou deste texto, vote nele simbolicamente de 28 a 31 de Dezembro.

18 comentários:

  1. Natal com calor nem parece Natal...para quem sempre viveu esta quadra com frio, aliás há uns anos com bastante mais frio do que ultimamente, por isso o frio é algo que não consigo dissociar do Natal. Será que quem sempre viveu o Natal com calor pensa exactamente o contrário? Que Natal com frio nem parece Natal?
    Estejam onde estiverem...com frio e neve ou na praia...Feliz Natal!!

    ResponderEliminar
  2. Engraçado, tinha de tal forma concebido a ideia deia de que o Natal estava associado ao frio desde criança, que ainda hoje me custa imaginar as coisas diferentes eheheh

    Gostei do texto

    jinho

    ResponderEliminar
  3. Sinto uma certa dificuldade em imaginar o Natal em regiões quentes. Deve ser uma questão de hábito.
    DeAté é capaz de ter graça estarmos numa noite cálida olhando para uma árvore enfeitada como se estivesse coberta de neve.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. .."o mais importante era a união familiar" :)) e está tudo dito Ana Paula .. * Gostei muito

    ResponderEliminar
  5. Creio que o mais importante no Natal,não será a questão do tempo se é de frio ou de calor. Importante será o ambiente familiar, a união, a amizade, e o amor que seja partilhado com a maior sinceridade paz e alegria.
    Gostei do texto.
    cumprimentos
    Acacio

    ResponderEliminar
  6. Quando se transportam tradições para ambientes completamente diferentes, não podemos deixar de sentir uma grande estranheza. Apesar do Natal celebrar o nascimento de Cristo, o qual ocorreu numa região onde não é assim tão frequente a queda de neve, ou não ocorre mesmo, a verdade é que o cenário que nos chega através de vários suportes comunicacionais é de uma paisagem nevada influência, claro, dos países do Norte da Europa e dos EUA. Para uma alentejana que, na sua terra, apenas viu cair neve uma vez em muitos anos (não no Natal), também era estranho esse ambiente nevado, embora o frio não faltasse. E ficava sempre essa nostalgia da neve... Agora imagino o que não seria no calor tropical...

    ResponderEliminar
  7. Obrigada a todos, desejo um Feliz Natal e olhem alguns de vós disseram e bem com frio ou calor e celebrar esta quadra com ou mais tradição, o que interessa é estarmos juntos e reforçar a união familiar.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  8. Quando "viver" na rua ainda era seguro.
    Hoje já nem isso nossos filhos podem fazer, pois segurança é o que há menos.
    Resta-nos dar-lhes segurança em casa e tentar manter vivas as tradições natalícias, para que um dia, também eles possam contar como era, a seus próprios filhos...
    Boas Festas!

    ResponderEliminar
  9. Amiga Ana Paula,

    Gostaria muito de passar o Natal e mais uns dias, um mês pelo menos:)) num país tropical, longe do frio que tanto detesto.
    Fiquei a sonhar com o seu Natal...
    Que seja bom e cheio de tudo.
    Espero que tenha sorte a venha a ganhar!

    Pela Isabela eu voltarei mais vezes para comentar.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Ana Paula
    Passar o Natal na praia é, para nós, um pouco estranho, mas deve ser óptimo!
    Boas festas com amor e solidariedade!
    Bjs
    Alcinda

    ResponderEliminar
  11. Olá,Ana!
    É verdade que o Natal no calor deve ser diferente,bom só experimentando para apreciar devidamente.Na neve intensa,também deve ser engraçado.
    Bom aqui frio já temos e muito :)
    Adorei a foto,bem estaria nessa praia.

    Boas festas
    Jocas gordas
    Lena

    ResponderEliminar
  12. Um Natal, passado na Beira (a outrora chamada Cidade do Futuro), na praia, com calor, não é melhor nem pior que passado nas regiões onde o frio aperta. Foram-nos criando a ideia da neve, talvez a menos abusiva, dos pinheiros nórdicos e, por fim, o velhote da Coca Cola!
    O Natal é quente, mas o calor é outro, não o da temperatura ambiente.
    É o sentimento de dádiva do Natal que nos aquece e faz pensar em dias melhores. Aqui, ou em qualquer outro ponto do planeta!
    Quanto ao resto, é comércio. Natal nas Maldivas ou em Cancun é "trabalhar para o bronze", não é Natal!

    João Celorico

    ResponderEliminar
  13. Loool, eu muito sinceramente prefiro mais trabalhar para o bronze, até porque Natal pode e deve na minha opinião ser sempre que nós quisermos. Estar em família, juntar amigos, ter uma atitude de solidariedade, cuidar dos nossos idosos e crianças, ofertar o que podermos, fazer as filhós, comer o bacalhau etc etc, isso podemos (quem pode) fazer sempre que sim e pronto. Mas quem nasceu nas terras tropicais não tem culpa que nesta altura seja calor e não frio, e quem vive no hemisfério norte também não tem culpa de ser frio. Isso é o menos importante.
    O comércio, pois quem vive dele precisa que haja acção e dessa acção não escapamos mesmo que não seja Natal. E olhe ainda bem, pois acho que tudo faz falta e cabe a nós sabermos criar as soluções ou outras formas de agir.
    Por exemplo esta forma de estarmos juntos através deste blogue é super excelente, passar a mensagem de solidariedade e carinho. Excelente.
    Viva vocês todos! beijos.

    ResponderEliminar
  14. Caramba! Isso é que devia ser um Natal fantástico. Decerto o menino Jesus africano era bem mais generoso e se me tivesse sido possível colocar lá o meu sapatinho, calhar ganhava a tão almejada caixa de lápis de cor que nunca recebi.

    Bem, aqui para nós, eu era um bocadinho pecadora e apesar dos avisos de que Deus tudo via, eu era incorrigível ... reincidia sempre hihihih

    Já agora, podes dizer-me como é que o menino Jesus fazia para entrar nas palhotas, se não têm chaminé???

    Gostei de ler o TEXTO :o)

    dentadinhas

    ResponderEliminar
  15. Palhotas?
    Não sei se o menino Jesus chegava até às palhotas...eu vivia na cidade. Palhotas nunca conheci.
    E à noite do dia 24, o pessoal vinha para a rua e cumprimentavamos os vizinhos e festejávamos na rua o Natal, pois à noite estava-se bem na rua!
    A minha madrinha/tia vinha comigo dizer que o Pai Natal vinha numa núvem cor de rosa que eu apesar de não ver dizia-lhe que sim que via pois se ela dizia que havia a núvem era porque era verdade. Vinhamos para a soleira da porta ou pátio ou jardim e levávamos e conviviamos uns com os outros!
    Comida na mesa, os brinquedos que no meu caso era carrinhos retocados dos anos anteriores(nao gostava de brincar com bonecas e ñ havia dinheiro para mais) e ía ainda "estreá-los" na rua.
    Bem fixe.
    Aqui faço em casa a árvore de Natal e o bacalhau da praxe, as prendas, lulas ou polvo e borrego. Musse de chocolate e o resto são os vizinhos que me dão, os fritos e as filhós.
    Isso é que vale.

    ResponderEliminar
  16. Que saudades da Beira minha amiga. Sabe que a primeira vez que fiz a minha árvore de Natal foi em Moçambique, em 1969 em Lourenço Marques, hoje Maputo?
    Um abraço

    ResponderEliminar
  17. Com os votos de Santo e Feliz Natal, aqui lhe deixo um poema, de Nuno Bermudes.

    NATAL EM ÁFRICA

    Como no longe
    europeu,
    Natal –
    mas na província não neva,
    nem arde o fogo
    nas lareiras,
    nem as estrelas dos Reis Magos
    brilha neste céu.

    Idênticos,
    só mesmo a solidão
    e o cansaço

    - E toda a esperança,
    como nas terras onde neva,
    se perdeu.


    João Celorico

    ResponderEliminar