quinta-feira, 10 de setembro de 2009

A brincadeira que acabou mal...





Boas lembranças tenho das vindimas. Todos os anos, ia contente com a minha prima, companheira de muitas brincadeiras à volta das uvas. Lembro-me das vezes em que jogávamos para ver quem conseguia encher o balde mais depressa! Mas é claro que entrava mais na barriguinha, do que propriamente no balde...


A parte pior era quando o calor apertava... as abelhas e as vespas insistiam voar à nossa volta sempre que iamos atrás do tractor, com as suas enormes tinas alaranjadas, prontinhas a serem levadas para a adega, assim que estivessem cheias de uva. Ainda tenho na memória a música de fundo que elas faziam, enquanto o tractor se movimentava.




A parte que achava mais piada era quando chegávamos ao fim do dia, todas pintadas com o tinto e iamos para o lagar do meu tio ver os homens a pisar as uvas, enquanto cantarolavam. Com muita pena minha foram muitas as tentativas fracassadas para nos juntarmos ao grupo. " Isto é para homens" diziam eles... coisas de machismo, foi o que sempre achei, assim como nessa altura, as mulheres, que acabavam por fazer a parte mais dura, a de colher as uvas ganhavam menos do que os homens, na hora de receber. Penso que ainda hoje funciona assim... a igualdade salarial ainda não chegou ao campo...




Agora não me esqueço o dia em que estávamos cansadas e resolvemos esconder-nos lá no meio de uma vinha. O pessoal colheu as uvas, continuou pela vinha fora e não deu pela nossa falta. Passaram uma, duas, três horas e deixámos de os ouvir e ali continuámos deitadas debaixo da sombra da parra. Sempre pensámos que alguém iria chamar-nos, à nossa procura, mas tal não aconteceu... até que apareceu um lacrau a passear à nossa beira. Quando vimos o bicho ficámos de tal maneira histéricas, que assustámos o bicho... mas de nada adiantou... acabou a dar uma picadela à minha prima. Ela gritou tanto de dor que os que estavam na outra ponta da vinha ouviram e foram acudir a minha prima. A brincadeira acabou no Hospital, a soro e com um grande sermão dos nossos pais...




Ai do bicho que se meta na minha frente, outra vez!


Escrito por Joana, do Blogue Diario de Joana

Se acha este texto o melhor, vote nele na barra lateral e aproveite para comentar aqui.



6 comentários:

  1. Engraçado como um tema nos pode trazer à memória outras lembranças.

    Creio que não foi por altura das vindimas, a Terezinha, uma primita minha, muito pequenina talvez com 3 anos, foi sentada numa manta, sendo vigiada pelos pais que trabalhavam no campo. A mãe tinha-a avisado:

    - Não mexas nas pedras que pode haver algum lacrau que morde as meninas!
    Passado algum tempo, a Terezinha gritava:
    - Mãezinha, anda cá ver um "licauzinho"!
    A mãe veio a correr ... e não é que era mesmo? eheheheh
    Bem, teve mais sorte que a tua prima, não chegou a ser mordida

    Gostei do texto

    Um jinho

    ResponderEliminar
  2. Engraçado o seu texto. Traquinices de criança que às vezes acabam mal.
    Boa sorte
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Cá vai o meu sedativo para a picada do lacrau!

    A Joana conta a história
    de uma hora de aflição
    pois lhe ficou na memória
    a imagem do escorpião!

    Mordeu na prima o escorpião
    eu faço ideia o que lhe doía
    e, se foi grande a agitação
    maior terá sido a gritaria!

    Foi no hospital que acabou
    esta tão difícil provação,
    depois, depois, tudo passou.
    Será que só ficou, o sermão?

    E quantas saudades, decerto,
    ainda terão daquelas lides
    dormirão, disso estou certo,
    mas não debaixo das vides!

    Porque não fugiu o lacrau?
    Com tão grande gritaria,
    coitadinho do bicho mau!
    Eu, garanto que fugiria!

    Iam trabalhar e contentes!
    Não tinham outro remédio.
    Sem vindima, aquelas gentes,
    morriam de fome, ou de tédio!

    Nisto de vinho, para beber,
    há sempre causa e efeito.
    Aqui, ficámos sem saber
    se o vinho era de jeito!

    E o texto, podem crer,
    acaba muito depressa.
    A Joana não quer saber.
    Só o bicho lhe interessa!

    João Celorico

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  5. João Celorico:

    Que bela poesia que me dedica! Sem palavras fiquei para um simples texto como o meu...Na verdade tem razão, quando diz que dou maior importância ao lacrau do que propriamente ao vinho...tudo porque não gosto de falar muito disso...

    Abraço, Joana

    ResponderEliminar
  6. Pascoalita e Elvira: Obrigada pela vossa presença aqui!

    Bjs Joana

    ResponderEliminar