quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

ASSIM ERAM AS JANEIRAS NA MINHA ALDEIA

video

Vídeo em homenagem ao Rancho Folclórico Serra do Ceira actuação na Festa dos Santos em Góis 01 de Novembro de 2009

Festejado o Natal e o nascimento de 2010, digerido o espumante, é tempo de fazer contas à vida, Levantar âncora e rumar para entrada no novo ano, com o cantar das janeiras.

As Janeiras são uma tradição muito antiga. Em muitas das nossas aldeias mantém-se bem viva esta tradição. Em especial nas Beiras e norte de Portugal vai passando de geração em geração, assim como o reportório musical que a esta quadra está associado.

Na minha aldeia forma-se um grupo de pessoas que tocando diversos instrumentos como a concertina, guitarra, ferrinhos, pandeireta, viola assim como outros inventados pelos próprios participantes, percorrem as ruas entoando cânticos associados às Janeiras.
Parando frente a cada porta de casa habitada. Convidando com os seus cantares o dono da casa a vir dar-lhe as Janeiras e desejando, assim um bom ano aos seus vizinhos. São normalmente convidados a entrar e são-lhes oferecidos algumas iguarias, como filhós, chouriço, morcela, toucinho, broa, castanhas, hortaliças e vinho, porque no final da caminhada à aldeia o conteúdo apurado durante o porta a porta, vai servir para a confecção de uma refeição tipo petiscada em que toda a gente pode participar. Continuando sempre com os seus cantares e danças tradicionais pela noite dentro.

É bom que se vão mantendo certas tradições. É uma forma de manter bem vivas as nossas aldeias, manter o convívio e a harmonia entre as pessoas que às vezes parece estar a morrer. De algum modo as Janeiras ou o cantar dos Reis permanece, não só na memória, mas também no quotidiano de muitos dos portugueses. È pena que cada vez há menos adeptos destas manifestações populares, o que também se deve à desertificação que se vai verificando cada vez mais nas nossas aldeias, em especial do nosso Portugal interior. Antigamente era também usual as crianças fazerem o seu pedido das Janeiras, Juntavam-se em grupos pequenos pela manhã bem cedo, com um saquito na mão e batiam de porta em porta esperando uma pequena dádiva como uns rebuçados, castanhas piladas, figos secos, uma fatia de bolo Rei, ou bolo escangalhado ou num grande dia de sorte uma tablete de chocolate.

Escrito por Acácio Moreira, do blog Carvalhal do Sapo

Se gostou deste texto, vote nele de 28 a 31 de Janeiro. Aproveite e comente. Quem sabe, é seleccionado para Melhor Comentário!

6 comentários:

  1. Olá, amigo Acácio!
    Desconhecia a tradição das crianças juntarem-se e cantarem também em grupos.
    O pequeno vídeo dá vida ao texto.Está bem pensado,o conjunto todo :)

    Jocas gordas
    Lena

    ResponderEliminar
  2. Amigo Acácio:
    Mais um texto, mais uma linda historia. São estes trabalhos que não deixam esquecer o que de mais puro existia nas nossas aldeias. Também me lembro das crianças irem pedir as janeiras.
    Hoje conto estas histórias às minhas filhas e elas perguntam!
    Era mesmo assim mãe. Devia ser giro no contexto desse tempo.
    Eu respondo.
    Desse tempo e dos tempos de agora…claro ajustado à nova realidade.
    Felizmente que ainda hoje se continua a cantar as janeiras em várias regiões do País.

    Um abraço amigo
    Eugenia Cruz

    ResponderEliminar
  3. Olá Acácio!

    Sou beirã, mas a sério que isso é para mim uma novidade! Como saí da aldeia muito pequena e apenas faço uma única visita anual, algumas vezes fazendo a viagem de regresso no mesmo dia, não fazia ideia que se continuasse a cantar as janeiras como antigamente.

    Acho muito importante manter as tradições e tenho admiração quem se esforça por isso, mas no meu caso, por razões pessoais, tived necessidade de levantar uma barreira que me desligasse das minhas raízes.

    Gostei muito do texto e de saber como é esse são convívio na sua aldeia.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  4. Acácio
    Esta é uma descrição que ouvi, muitas vezes, dos meus pais, quando eles recordavam os seus tempos de juventude vividos na aldeia.
    Pessoalmente, nunca os vivi e, nesta altura na "minha aldeia", a aldeia natal da minha mãe, já só existem pessoas de idade avançada, sem vontade para andarem ao frio de casa em casa. É por isso que estas descrições são uma boa maneira de as manter, nem que seja na nossa lembrança.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Gostei muito desta iniciativa, tenho ideia que vai dar a oportunidade de ser ler muito coisa bonita neste blog. Boa sorte a todos os que concorrerem, vou ler com atenção certamente.

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  6. Amigo Acácio,

    Demorei algum tempo a chegar mas, já cá estou!
    Aqui deixo as minhas "Joaneiras"!


    Ainda aqui cheguei, agora
    e já me mandaram entrar.
    Mas, não hei-de ir embora
    sem minha Joaneira deixar!

    Com pandeireta e ferrinhos
    ou tudo o que possam tocar,
    vão, à porta dos vizinhos,
    as Janeiras lhes ofertar!

    Filhós, morcela, toucinho
    e, decerto não falta pão.
    Não falta também o vinho
    e mantém-se a tradição!

    As crianças! Antigamente!
    Segundo reza a história!
    Hoje, tudo é diferente!
    Resta o baú da memória!

    Abraço,
    João Celorico

    ResponderEliminar